Curta nossa página e fique bem informado com os informes e estudos cristãos.

Curta-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Assine os Feeds Entre em contato

Reflexão: Os Falsos Mestres e sua doutrina

Marcio Roberto Ramos | 30.12.13 | 0 comentários

BLOG MROBERTO. O cristão não deve jamais perder de vista as diretrizes da Palavra de Deus em todos os sentidos, porque elas, por serem divinas, são completas, finais e imutáveis.

Desde a antiguidade o povo de Deus vem sendo perturbado por falsos profetas. São homens astuciosos que dizem ser autênticos porta – vozes de Deus. Todavia, sua mensagem prova que são impostores procurando desarraigar e desviar o santo rebanho para longe da verdade e do Sumo Pastor, suscitando dúvidas e desordens de todo tipo.
Deus não se deixa escarnecer. Esses obreiros da iniquidade receberão no juízo do Todo Poderoso o galardão da injustiça, e perecerão na sua própria corrupção.
Vejamos algumas características dos Falsos Mestres
Assim como no Antigo Testamento surgiram diversos falsos profetas que desviavam o povo de Deus, muitos se infiltraram na igreja no inicio da era cristã, conturbando-a e causando grande estrago. Hoje a situação não é diferente. Há falsos obreiros espalhados por todos os lugares.
Precisamos estar alertas para não sermos enganados por ensinos errôneos. No intuito de advertir-nos, a Palavra de Deus nos apresenta várias características que facilitam a identificação dos falsos profetas ou falsos mestres.
1-    Interesse na popularidade; Os falsos profetas descritos no Antigo Testamento estavam mais interessados em serem pessoalmente populares. Não era de o seu interesse dizerem a verdade. Eles falavam para agradar o povo, anunciavam que tinham visão de paz quando Deus dizia que não haveria paz (Ez 6.14; 13.16). Nos tempos do rei Acabe, Zedequias (o falso profeta) afirmou que Israel venceria os Sírios. Micaías, o profeta de Deus, predice o desastre se Acabe fosse a guerra. Como Zedequias era popular e sua mensagem agradável, Acabe não se intimidou, saiu a guerra contra os sírios e pereceu tragicamente (1Re 22). Algo parecido aconteceu nos tempos de Jeremias (Jr 28). Uma das características dos falsos mestres é dizer aos homens o que lhes agrada, e nunca mostrar-lhes a verdade de Deus de que precisam. Sua meta é a popularidade, e seu critério, o aplauso.
2-    Busca de benefícios pessoais; “Seus sacerdotes ensinam por interesses e os seus profetas adivinham por dinheiro” (Mq 3.11). Ensinam “o que não convém, por torpe ganância” (Tt 1.11). Divulga a piedade como causa de ganho, fazendo do Cristianismo uma atividade comercial (1Tm 6.5). Os falsos mestres procuravam tirar proveito de suas atividades religiosas. Apanhavam os incautos com seu “evangelho corrupto”, e do fruto disso eles tornavam em uma fonte para ganhar dinheiro ilicitamente. Epístolas como Colossenses, 1 e 2 Timóteo, Tito, 2 Pedro, Judas e as três epístolas de João foram escritas contra estes falsos ensinadores (Sl 14.4).
3-    Tinham vida dissoluta; Em 2 Pedro 2.2, o termo “dissoluções” equivale a práticas libertinas. Isso indica que os falsos mestres entregavam-se às depravações sexuais e outras práticas e hábitos abomináveis. Por causa da imoralidade deles e de seus muitos seguidores, o cristianismo estava sendo difamado. O mesmo acontece hoje, quando vemos na televisão e nos jornais, falsos obreiros sendo acusados de imoralidades. O não crente, ao tomarem conhecimento disso, acaba generalizando e por causa do procedimento imoral de alguns todos são difamados. A Bíblia relata que em diversas circunstâncias o nome de Deus foi blasfemado por causa da vida e conduta indigna de muitos dentre o seu povo (Rm 2.24). Pedro já havia abordado esse assunto em sua primeira epístola (1Pe 3.16; 4.14,15;Tg 2.7; Tt 2.15).
4-    Atrevidos, arrogantes e blasfemos; Os falsos mestres não tinham o menor respeito por ninguém, blasfemavam das coisas celestiais e não respeitavam as autoridades eclesiásticas. Eram presunçosos e não hesitavam em desafiar os homens ou até mesmo Deus. Andava arrogantemente pelos seus próprios caminhos, não importando qual fosse o resultado dos seus atos pecaminosos. É possível que você já tenha se deparado com pessoas com essas características. Fuja imediatamente delas!
Sua mensagem, sua doutrina.
1-    Mensagem fingida: Os falsos mestres nunca entravam numa comunidade dizendo aberta e claramente quem eram e em quem criam. Mostravam-se astutos, procurando firmar o pé antes de dizerem sua posição. O termo original usado no versículo 1 de 2 Pedro capítulo 2, corresponde a “agir” secretamente com malícia. Isso implica que não agiam publicamente, mas ensinavam em cultos particulares, clandestinos, inclusive nos lares. Paulo também advertiu-nos a respeito daqueles que entram nas casas dos crentes para ensinarem outras doutrinas e desviarem famílias inteiras da verdade (2Tm 3.6). É assim que age o espião e o traidor, com os propósitos de prejudicar e destruir, ocultando a sua verdadeira intensão. Aqueles eram mestres que, por um espirito de ganância, comercializavam o evangelho, transmitiam ensinamentos atraentes, mas errôneos, em troca do dinheiro de suas vítimas, a fim de promover ainda mais seus ministérios e sustentarem seu luxuoso padrão de vida. Eles não se apresentavam como adversários do cristianismo, pelo contrário, aparecem como os mais refinados frutos da igreja cristã. De forma insidiosa, inconsciente e imperceptível, as pessoas vão sendo seduzidas e afastadas da verdade de Deus. Oremos insistentemente ao Senhor pedindo-lhe que nos guarde desses mensageiros perversos.
2-    Negavam o Senhor que o resgatou: Não viam valor algum na morte de Cristo como expiação definitiva pelo pecado da humanidade. Muitos deles afirmavam que a natureza humana de Cristo era ilusória, sua vida como homem era apenas uma ficção, e os sofrimentos de Cristo não forma reais, invalidando assim o valor da expiação por Ele efetuada.
Refutando as mensagens dos falsos mestres com:
1-    A expiação de Cristo: Os falsos mestres negavam a doutrina da expiação de Cristo com algo que tem valor para o retorno do homem a Deus. Para eles, Cristo não era um salvador todo suficiente, mas era apenas um dos que contribuiriam para a humanidade. Não viam qualquer valor em sua morte como expiação definitiva pelo pecado. Sua mensagem contrasta com a do Novo Testamento, que apresenta Cristo como o Salvador de todos os homens (Cl 1.20; 1 Tm 2.5).
2-    A santificação: O evangelho nos ensina que a santidade é imprescindível para a salvação (2 Ts 2.13; 1 Ts 4.3). Na vida do crente a santificação deve ser uma realidade diária. Não pode haver salvação sem esta santidade (Hb 12.14).
O fim dos falsos mestres
A destruição deles não dorme, o julgamento dos falsos mestres tem um desígnio e um propósito inevitável, por causa de sua natureza hipócrita. A demora aparente não é prova que o juízo foi esquecido. Há uma lei espiritual eterna da colheita, segundo a semeadura, que se aplica a todos os homens (Gl 6.7,8). O pecado não perdoado se acumula, até que, como cálice, transborde, trazendo um severo e final julgamento divino (Rm 2.5; Ap 18.5,6; Is 51.17,22).
Vemos também que a misericórdia de Deus em meio ao juízo como foi nos dias de Noé, e o que aconteceu com sua família, também haverá livramento para os que permanecerem fiéis a Deus.
Cuidado! Para finalizar, afirmo que os falsos profetas estão em toda a parte procurando desviar os crentes da verdade, embora declarem serem líderes espirituais, sua rela preocupação são com as coisas matérias e não você. Seu único desejo é satisfazer os desejos e anseios da carne. Devemos saber identifica-los e refutar seus nefastos ensinos. Para isto precisamos estar em perfeita comunhão com Deus, caso contrário, seremos enganados e confundidos com seus erros.
                                                    
Marcio Roberto



Category:

0 comentários

AS MAIS MAIS....DO PÚBLICO

CONFIRA TAMBÉM

Fechamento do Dólar nos últimos dias

Recommended Post Slide Out For Blogger